Buscar
  • Revista Traços

Colaborador da Cultural Traços lança livro de poemas


DESENCANTARES PARA O ESQUECIMENTO (Editora Viseu, 2021), É o livro de estreia de Geraldo Ramiere e reúne uma coletânea pessoal de poemas escritos ao longo de anos, dividido em duas partes que marcam períodos de escrita distintos, em que poesia e prosa se misturam com uma musicalidade própria, em versos que se comunicam durante toda a obra. Desencantares Para O Esquecimento ressoa sobre questões literárias, pessoais, sociais, existenciais, dialogando através de variados estilos poéticos, melodias e memórias cultivadas durante uma vida inteira. O livro pode ser adquirido diretamente no site da editora através do link:

https://www.eviseu.com/pt/livros/2013/desencantares-para-o-esquecimento/


Quem é

Geraldo Ramiere (01/07/1981) é poeta e contista de Planaltina-DF, além de professor de História e produtor cultural. Desde 2002 tem suas obras publicadas em forma escrita (periódicos, antologias e revistas literárias) e no meio virtual. Possui o blog literário Céus Subterrâneos (ceussubterraneos.blogspot.com) na qual divulga seus escritos.


Suicidadores

Na primeira vez que tentei me matar

Eu era apenas um adolescente ainda

Tomei uma mistura de remédios

Florbela Espanca então surgiu

Dos meus lábios sugou o veneno

E faleceu em meu lugar


Na segunda vez que tentei me matar

Tinha pouco mais de vinte anos

E decidi abrir o gás antes de dormir

Foi quando Torquato Neto apareceu

Retirando-me de lá rapidamente

Morrendo ao me resgatar


Na terceira vez que tentei me matar

Era meu trigésimo aniversário

Subi na janela do alto de um prédio

E quando estava prestes a pular

Ana Cristina César puxou-me pela mão

Caindo sem que eu nada pudesse fazer


Na quarta vez que tentei me matar

Não recordo qual era a minha idade

Apontei uma arma para meu peito

E ao disparar, não vi Maiakovski

Jogando-se na hora bem na frente

Agonizando até o fim em meus braços


E atualmente em poesia sobrevivo

Não pensando mais em me matar

Contudo, tenho a total consciência

Que chegará o dia em que eu precise

Salvando algum poeta desconhecido

A minha própria vida arriscar.

39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo